“O homem de preto fugia pelo deserto e o pistoleiro ia atrás”. (KING, p.27).

            Acredito que essa seja a melhor maneira de se começar falando sobre o livro. O Pistoleiro é o primeiro romance da série A Torre Negra do autor de fantasia e terror Stephen King, se por um acaso tu acredite que nunca ouviu falar dele, caro amigo, acho que estás enganado. Podes não ter lido ainda algo desse autor, mas certeza que já visse algum filme baseado em sua obra, por exemplo, It – A Coisa um telefilme americano de 1990 e que vai ganhar um remake agora em 2017, lembra aquele filme com um palhaço macabro que fica chamando as crianças para brincar dentro de um esgoto (ou sei lá o que era aquilo). Outros filmes famosos dele são O Iluminado de 1980 dirigido pelo magnífico Stanley Kubrick, sem contar o filme a Espera de um milagre de 1999, aquele filme do negro que vai para cadeira elétrica sem ter cometido crime nenhum e que toda vez que passava na tela de sucesso no SBT fazia a sua mãe chorar, então, tu já conhece esse grande mestre da escrita.

             Mas nossa Evelyn, tu me deste toda uma explicação tentando me convencer que eu já conhecia o Stephen King de alguma forma, e para que tu fizeste isso? Então caro coleguinha, falei tudo isso por que tu precisa saber algumas coisas antes de ler a série, a primeira é que King é um sádico, sério ele é pirado, completamente insano porque eu duvido que alguém em sã consciência conseguisse escrever toda essa viagem que ele escreveu, segundo tu tens que entender que o universo da torre negra contempla todas as suas obras, as vezes mais, as vezes menos mas de uma maneira geral ele sempre consegue colocar alguém que irá interligar com alguém dentro de algum lugar ali. E em terceiro e não menos importante não comece a ler a torre negra achando que terá todas as respostas no primeiro livro, por que como eu disse antes todo o universo criado pelo autor se interliga.

            A história começa, como já dito, em uma perseguição. O pistoleiro também conhecido como Roland é o herói dessa história, e ele segue a muito tempo em busca do Homem de preto o vilão. Roland busca por vingança, busca por respostas e busca pela torre, para conseguir tudo isso ele necessita capturar o Homem de preto. A narrativa vai se desenrolando com base no que aconteceu, e no que está acontecendo com o nosso pistoleiro, quase sempre o que nos é mostrado é mostrado em formato de flashbacks, em que o Pistoleiro conta para outro personagem coisas que aconteceram para que ele estivesse ali, situações que influenciaram a sua jornada e que fazem com que ele tenha cada vez mais raiva do Homem de Preto.

              Stephen King nesse livro não tem a menor intenção de te explicar alguma coisa, ele vai jogando situação encima de situação, flashback encima de flashback, morte encima de morte e é como ele te dissesse “ vai lendo, segue a história, tenho mais sete livros para escrever sobre a torre negra, então vou te explicar só mais para frente, mas presta atenção, leia direitinho, a informação que eu te passei aqui provavelmente vai fazer diferença nos livros a seguir”. O autor aqui é completamente despretensioso, ele escreve bem, muito bem como qualquer livro dele, mas tu percebeste que ele ainda é um escritor jovem, que pegou amor por uma história e quer conta-la de qualquer jeito. Acredito que vale apena dar aquela chance marota para o livro, e não desanimar só por que o livro é arrastado ou confuso, vai fundo, vá conhecer a Terra Média, vá conhecer outro mundo, vá descobrir sobre o Ka, a cidade dos pistoleiros, tentar entender um pouquinho sobre a complexidade de personagens muito bem escritos, de uma chance para o tio King, ele é um velho louco, mas é um amor de pessoa.  A Torre Negra é considerada a obra prima do autor, até agora não conheci nenhuma pessoa que leu e não gostou. Sem contar que está para ser lançado agora em 2017 um longa sobre a Torre Negra, e uma série do quarto livro está sendo produzida para a televisão, acredito que sejam alguns fatores validos a se pensar para começar a ler os livros

Nota: 7 Tap’s

[CURIOSIDADE EXTRA PARA GALERA] A série da Torre Negra é inspirada e em alguns momentos baseada no poema chamado “Childe Roland, A Torre Negra Chegou” do poeta vitoriano Robert Browning (1812 – 1889) que em questão tomou como inspiração a peça “Rei Lear” do William Shakespeare, mais especificamente as últimas palavras da peça.